segunda-feira, 25 de julho de 2016

Vida de pobre




Amigos tenho saudade
Dos sonhos que não sonhei
dos abraços que não tive
e dos beijos que não dei.

Os dias se vão passando
as noites passo-as de vela
a vida me vai fugindo
sem eu dar por conta dela.


O tempo passa tão rápido
Nem dou pela sua vinda
Quando o quero agarrar
Já estou perto da saída.


Vou contando as minhas histórias
E também algumas lerias
Este mundo não é meu
Só vim passar umas férias


Tudo passa tudo morre
Nesta vida desgraçada
Os ricos comem-nos tudo
E os pobres não comem nada
                                                         

É a vida que nos faz
Andarmos todos à rasca
Para uns é querida mãe
E para outros madrasta


Já passei muito na vida
Já comi pão com bolor
Pode ser que venha a próxima
Eu viva um pouco melhor.


5 comentários:

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, é sempre um prazer visita-la, ler e apreciar este seu belo poema, profundo e actual, puro e verdadeiro, mostra que é portadora de uma bom carácter, caminhamos os dois pela mesmas estrada, nos sonho que que não tivemos.
Boa semana,
AG

✿MIUÍKA✿ disse...

Poema profundo, onde mostras a realidade de muita gente, a quem falta tudo, neste mundo tão injusto. Gostei muito. Um beijinho grande.
Miuíka

Manuel Luis disse...

Enquanto à esperança temos vida! Aproveita cada momento e sente o prazer de viver.
Bjs

Toninho disse...

Pois é assim minha querida amiga.
Enquanto uns se abarrotam de tudo
outros vivem na margem da miséria.
É o mundo e há que haver fraternidade no mundo.

Meu terno abraço.
Bjs de paz.

Gloria da alma disse...

Olá meu querido amigo de Alem-mar o seu País está em festa, uns gostam outros nem por isso, mas o melhor de tudo é que comece e termine em segurança.
Amigo cá temos nós mais um fim de semana e que ele seja passado do melhor que o amigo desejar, estes são meus sinceros votos deixo mais uma vez os meus beijinhos de luz e muita paz, lhe quero muito bem meu bom amigo.

Publicação em destaque

CONTEMPLAÇÃO

CONTEMPLAÇÃO Saltei, brinquei, sorri e chorei Senti o vento por mim a passar. Vi os vaga-lumes no escuro a brilhar. Vi as ma...