quarta-feira, 13 de julho de 2016

Na praia dos meus sonhos






Na praia deserta
Olhando pró mar
Meus olhos cansados
De tanto esperar

Num barco pequeno
Eu te vi chegar
Tu vinhas de longe
Desse mar sem fim
Vestido de branco
De branco marfim

Eu quase sem forças
Deitada na areia
Estava embevecida
Ao som da serei


Minha boca seca
Com sabor a mar
Queimada do sol
de tanto esperar

Olhando o horizonte
Das ondas sem fim
Hoje de saudades
Recordo de mim

Vivo a recordar
Aquela sereia
Na praia deserta
Deitada na areia

Me deixo embalar
Nesse mar sereno
Para te ver chegar
Num barco pequeno.  

Nina Filipe

2 comentários:

Nina Filipe disse...

É um poema muito lindo, para mim acho um pouco dramático essas suas saudades que falam sempre de morte, ou você me deixa de ser lamechas ou eu não vou mais ser amiga da minha melhor amiga que está sempre para morrer em todos os poemas, mulher seja mais positiva pois assim eu penso negativo atrai mais negativo...um beijinho do tamanho do mundo e me desculpa por eu dizer tudo aquilo que penso sua amiga para sempre em quanto Deus me der forças. em SÃO AS SAUDADES.
Remover conteúdo | Eliminar | Spam
Natercia Ramalho
em 08-07-2016

Nina Filipe disse...


Onde ficaram os comentários personalizados...um beijinho no seu coração que é muito grande desta sua amiga para sempre. em SÃO AS SAUDADES.
Remover conteúdo | Eliminar | Spam
Natercia Ramalho
em 08-07-2016

Publicação em destaque

CONTEMPLAÇÃO

CONTEMPLAÇÃO Saltei, brinquei, sorri e chorei Senti o vento por mim a passar. Vi os vaga-lumes no escuro a brilhar. Vi as ma...